ATLAS People Like Us

A ATLAS tem como Missão intervir na comunidade, de modo a criar alavancas de Desenvolvimento Humano Integrado e Sustentável, através da promoção do voluntariado e da cooperação.

“Uma leitura, uma partilha de opinião” é um espaço de partilha entre voluntários e voluntárias da ATLAS. Aqui descobrimos o que andam a ler, quais as suas reflexões e sentimentos. Estão todos e todas convidadas a deixar comentários ao artigo no fim desta página!


A Sublime Arte de Envelhecer de Anselm Grun

Comentário de
Rui Bingre
Voluntário do Projeto Velhos Amigos em Leiria

Anselm Grun é monge beneditino, responsável financeiro da Abadia de Munsterschwarzach na Alemanha e, segundo a Wikipédia, “autor de aproximadamente 300 livros com foco na espiritualidade. Dos seus livros, mais de 15 milhões de cópias foram vendidas em 30 idiomas” (!) e tinha 64 anos quando escreveu este livro. Estes pormenores biográficos são importantes para uma melhor compreensão do livro.

Logo nas primeiras páginas duas frases lapidares que me atrevo a classificar de indiscutíveis (“A nossa vida só é bem sucedida se aceitarmos o processo de envelhecimento”) e (“O Homem envelhece por si só. Mas o facto de envelhecer com sucesso depende apenas dele próprio”), prenderam-me a atenção suscitando-me a pergunta “o que devo, então, fazer para envelhecer com sucesso?”. Note-se, pela biografia do autor do livro, que fiz esta pergunta (via leitura do livro) a um homem com uma extraordinária envergadura intelectual e espiritual.

As respostas que encontrei são sensatas (“a vida não se constrói sozinha”), motivadoras (“sábio é aquele que gosta de si próprio e faz com que gostem de si”) e muitas outras de igual mérito. Acresce que o tom geral do livro não é, felizmente, de “guru da felicidade”, longe disso! A proposta de Anselm Grun é a da vivência da velhice como uma caminhada tranquila mas exigente na “capacidade de aceitação da própria existência” (reconciliação com o passado, aceitar os seus próprios limites, aprender a viver com a solidão) da “renúncia” (renunciar aos bens materiais, ao poder, ao ego, etc.) e no “cultivo das virtudes da velhice” (serenidade, paciência, liberdade, gratidão, amor, etc.). É um caminho difícil (o próprio Grun diz-nos que nos seus 64 anos ainda não se sente capaz de os cumprir integralmente) e que, na minha opinião, talvez esteja facilitado para quem viva numa profunda envolvência do pensamento cristão, sem prejuízo, no entanto, de ser igualmente exequível fora desse contexto religioso. O livro provoca e merece uma reflexão cuidada. Mas imaginem, caros leitores deste artigo, que a minha próxima leitura, já planeada antes de ler Anselm Grun, tem como título “Que se Lixem os 70, Guia para (os) Viver Bem” do distinto médico Muir Gray, editora IN. Parto para essa leitura como parti para a anterior: de espírito aberto. Espero um choque de diferenças entre ambas as visões da velhice. Não sei qual das duas me influenciará mais, mas provavelmente ficarei a meio do caminho, não por virtude minha mas porque nos meus 67 anos ainda não me sinto capaz de cumprir a proposta de Grun e, provavelmente, não terei a disciplina e a vontade necessárias para ser o jovem de barba branca e saltitante da capa do livro de Gray. Fica-me a esperança que este gosto de continuar a buscar respostas seja uma pequena alínea de uma sublime arte de envelhecer.

A Sublime Arte de Envelhecer
Anselm Grun
Paulinas Editora, 2011



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O envelhecimento é um processo complexo que ocorre ao longo de toda a vida, que envolve aspectos de vária ordem, como demográficos, económicos, sociais e familiares e que, tendo em conta a forma de envelhecer, não pode ser visto, apenas, no âmbito biológico.

No conceito de envelhecimento, deve considerar-se a idade cronológica, a jurídica (relacionada com direitos e deveres da sociedade), a psicoafectiva (relacionada com a personalidade e emoções), a social, e a biológica e física (ligadas ao ritmo de envelhecimento individual). Cada idoso é um ser único que envelhece ao seu ritmo, sendo este processo heterogéneo. Este processo e ritmo variam com base, por exemplo, no estilo de vida, alimentação, escolaridade, profissão exercida, etc. O idoso tem mais vivências, anos de vida, doenças, perdas, tempo disponível e sofre de preconceito! Assim, este processo de envelhecimento não deve ser considerado uma tragédia individual e, muito menos, colectiva, pelo facto de o idoso ter perdido o seu papel produtivo na sociedade!

Consequentemente, os idosos, dada a sua vulnerabilidade, estão mais sujeitos à discriminação social, levando a que, por vezes, se encontrem abandonados, em perigo, alvo de violência e falta de respeito pelos seus direitos!

Para que tal seja minimizado, foi necessário a adoção e criação de modelos de intervenção a nível familiar, social e de cuidados de saúde, devidamente enquadrados  juridicamente, para garantir o “envelhecer” com dignidade, segurança e respeito pela vida do idoso, modelos estes que se devem adequar à natural e “moderna” evolução do próprio envelhecimento, priorizando, sempre, os direitos individuais e o respeito pela pessoa idosa! Criaram-se, assim, Comissões de Proteção de Idosos, creio serem, em Portugal,19! Estas Comissões pretendem garantir o que referi atrás, mas, caso esses direitos estejam, ou sejam, ameaçados, e não respeitados, o recurso ao Ministério Público, permite-lhe, por legitimidade, agir!

Envelhecer com dignidade e direitos

Dado haver, socialmente, défice generalizado de conhecimento do universo jurídico, acentuado nos idosos, acompanhado, na maioria dos casos, de carência económica, dependência física e psicológica, é necessário que todos nós estejamos atentos e defendamos os direitos da pessoa idosa, fazendo-os respeitar, exigindo à sociedade que, igualmente, os respeitem, recorrendo, se necessário for, à via judicial, pois, nem sempre a pessoa idosa, devido a tudo o que foi sendo referido, se consegue defender! Esta atenção deverá ser redobrada, uma vez que, de acordo com o último Censo, a estrutura etária da população Portuguesa evidencia, na respectiva pirâmide etária, um acentuado aumento da população idosa que assenta na diminuição da Natalidade e aumento da Esperança Média de Vida! Prevê-se que, segundo as projeções do INE, até 2060 o Índice de Envelhecimento aumente até aos 307 idosos por cada 100 jovens!

As instituições como a Atlas, deverão ter um papel importante de proteção social na defesa e denúncia destes direitos, devendo estar, particularmente, atentas ao direito a condições dignas de habitação e respectiva  acessibilidade, aos cuidados de saúde, bem estar e segurança de todos os casos que conheça, e, em particular, aos dos seus Beneficiários, pugnando pela efectivação de todos esses seus  direitos!  Assim o temos feito na Atlas e, dada a nossa persistência, temos sido bem sucedidos!


Autora
Isabel Guimarães
Voluntária, Coordenadora do Projeto Velhos Amigos em Leiria



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O meu nome é Hélia Carla Amado Rodrigues, nos últimos anos trabalhei nas áreas do acolhimento residencial de crianças e jovens em perigo e formação/ensino. Invisto de forma continua na minha capacidade de ser útil nos valores de – cooperação e solidariedade de reciprocidade – com o objetivo de me acrescentar na elasticidade/plasticidade cerebral nas diferentes dinâmicas sociais, sobretudo fora da minha zona de conforto. Procuro sair da minha moldura/caixa dos afazeres diários, contribuindo assim para o crescente da minha criatividade de soluções, onde possa ser significativa nas pequenas ações que espero terem impacto nos seus usuários/recetores. Escolhi doar tempo e solidarizar-me com a Atlas no seu projeto – Velhos Amigos.


Assistencialismo vs Solidariedade

Proponho neste parágrafo a reflexão breve entre – assistencialismo vs solidariedade, numa linha da distinção para a sua união, ou seja o assistencialismo com uma vertente moral caritativa da dádiva aos desvalidos (tratar dos pobrezinhos) para uma visão assente nos prismas da solidariedade de reciprocidade[1], a responsabilidade da ação voluntária com paridade de decisão, entre o dador e o recetor, desemboca na solidariedade.

Sendo assim, um voluntariado substantivo da condição humana nas diferentes dimensões inerentes[2], e, recusar a ação de voluntariado numa base no sentido único da dádiva do assistencialismo com uma dependência das políticas do estado ou do excedente da economia de mercado, emancipá-la para – aquela que promove e que não assiste só -, torna-la num contributo para as tomadas de decisões políticas com base no conhecimento da prática do fazer e do estar, para uma ação assertiva do e com o SER.

Importa sentir que não basta só dar mas envolver os recetores nas decisões, tornando-os assim os decisores com projeções para o e com futuro – agentes ativos da própria mudança.

45 frases de solidariedade que vão te ajudar a praticar esse ato

[1] Conceito de reciprocidade: dar sem esperar receber em troca; receber sem sentir a obrigação de dar em troca; e, trocar bens e serviços sem importância mercantil / lucro.

[2] Como a: social, sistémica, política, económica, ambiental, territorial, cultural, cognitiva, ética, entre outras


Autora
Helia Carla Amado
Educadora Social e voluntária do Projeto Velhos Amigos na Marinha Grande



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



No passado dia 16 de fevereiro de 2021 recebemos a Professora Doutora Margarida Pedroso Lima para mais um Encontro ao Serão da ATLAS – People Like Us. O tema do Encontro foi “Sexualidade depois dos 50”. Deixamos aqui algumas notas para quem não teve oportunidade de estar presente.


De acordo com Vilar (2003), até época recente, o modelo social dominante de valores e atitudes sobre a sexualidade era o “Modelo Reprodutivo”, o qual legitimava a vida sexual somente às funções reprodutivas, as quais só eram aceitáveis no contexto matrimonial. Os comportamentos sexuais não reprodutivos não eram moralmente aceitáveis e respeitados. E, porque as pessoas idosas já não estavam em idade reprodutiva (mesmo que os homens fossem férteis ao longo de toda a vida), a sexualidade, e especialmente a sexualidade feminina, era ignorada, escondida ou desrespeitada (Pereira 2010; Sanchez and Ulátia, 1998; Steinke, 1997).

O avanço do estudo da sexualidade humana, os debates públicos e os movimentos sociais em torno da sexualidade e dos direitos sexuais fizeram com que esta forma de entender a sexualidade fosse substituída por um novo modelo – um modelo recreativo e permissivo (Giddens, 1996; Cabral e Ferreira, 2010) e, neste novo contexto social e cultural, a vida sexual das pessoas idosas tem sido mais aceite e reconhecida.

No entanto, e apesar destas mudanças nas normas sociais e nas atitudes sobre a sexualidade, o modelo tradicional tem ainda muito peso entre as pessoas de idade avançada.

O Idadismo é um preditor negativo da sexualidade na velhice

Se aos 40 acharmos que a sexualidade vai decrescer com a idade é possível que aos 70 ou aos 80 não se tenha uma sexualidade ativa. Funciona como uma profecia que se auto cumpre em que quanto mais forte é a nossa crença maior a probabilidade de sofrermos com ela.

As nossas crenças enquanto comunidade levam a que adultos mais velhos encontrem dificuldades na expressão da sua sexualidade. As crenças podem limitar-nos e por isso é importante serem criados espaços de informação, desmistificação dos mitos e apresentação dos factos.

O que muda afinal com a idade?

O pico da maior parte das funções biológicas relacionadas com a idade ocorre antes dos 30 anos e declinam gradual e linearmente ao longo da vida. O declínio pode ser crítico sob condições de stress, mas normalmente tem pouco ou nenhum efeito sobre as atividades diárias. Portanto, as doenças, mais do que o envelhecimento normal, são a causa primária das perdas funcionais durante o envelhecimento.

Em muitos casos, o declínio relacionado com a idade pode ser decorrente do estilo de vida, comportamento, alimentação e meio ambiente, e, portanto, pode ser modificado. Importa referir que nem todas as funções estão em declínio e, sabesse hoje, que no que toca à capacidade de gestão emocional, existem melhorias significativas com a idade.

Os idosos relatam melhor bem-estar emocional do que os mais jovens – mesmo durante uma pandemia que os coloca em maior risco do que a qualquer outra faixa etária. Artigo original em Inglês: https://news.stanford.edu/2020/10/27/despite-covid-19-risks-older-people-experience-higher-emotional-well-younger-adults/

Os investigadores justificam esta melhoria por existir uma maior consciência da mortalidade e percepção da fragilidade da vida, o que leva as pessoas com idade avançada a viver o presente com mais intensidade, valorizando todos os momentos. A experiência de vida leva também a que exista um aumento da capacidade de antecipar e adaptar respostas emocionais. Diminui a frequência e a intensidade de emoções como a raiva e consegue-se encontrar um equilibrio emocional.

Isso significa que o sexo não muda?

Sim e não. Sabemos que tudo muda ao longo do nosso ciclo de vida, somos seres sexuais desde o momento em que nascemos mas a forma de vivenciar a sexualidade aos 5 anos é diferente aos 20, aos 40 e será certamente diferente aos 60, 80 anos. Do nascimento até à morte somos seres sexuais e passamos por vários processos adaptativos.

A vida sexual transforma-se constantemente ao longo de toda a evolução individual, porém só desaparece com a morte. (Myra e López, in Sexualidade Humana, 1993)

Um dos grandes problemas em questões de sexualidade é que a mesma é equacionada com a capacidade/frequência de relações sexuais, mas a sexualidade vai muito para além do coito. Somos seres complexos e expressamos a nossa sexualidade de múltiplas formas, desde a nossa identidade, a imagem que apresentamos, aos erotismos, a sedução, as carícias. É hoje cientificamente consensual que a atividade sexual e a satisfação com a mesma são benéficas para o bem-estar psicológico e físico em adultos em idade avançada, reduzindo o stress físico e mental decorrente de doenças associadas ao envelhecimento (DeLamater, 2012; Traeen B, 2017).

Se queremos ter uma sexualidade ativa aos 60, 80…. Há que praticar! A nossa função sexual está muito relacionada com a nossa saúde física. Hábitos de vida saudáveis levam a uma sexualidade positiva mais anos.

Ninth Circuit Blog: Case o' The Week: Use it Or Lose It (Then Win It) -  Yepiz, Jury Selection, and Rule 24
Use It or Lose It, em português “Usa-o ou Perde-o”.

Referências

DeLamater, J. (2012). Sexual expression in later life: A review and synthesis. Journal of Sex Research, 49, 125-141.

Giddens, A.(1996) As transformações da Intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas, Oeiras, Celta

Pereira, A.R. (2010) A Sexualidade na terceira idade: perspectiva do idoso institucionalizado, Dissertação de Mestrado disponível na Mediateca da Universidade Lusíada de Lisboa

Sanchez, F., Ulátia, J. ((1998) Sexualidade en la Vejez, Madrid, Pirâmide

Steinke, e. (1997) Sexuality in Aging: implications for mursing facility satjj, The jornal of Continuing Education in nursing, 39-6.

Traeen, B. (2017). Sexuality in Older Adults (65+)—An Overview of The Recent Literature, Part 2: Body Image and Sexual Satisfaction.International Journal of Sexual Health, 29:1, 11-21.

Vilar, D. (2003) Falar Disso, Porto, Afrontamento

Villaverde Cabral, M., Ferreira, P. (org) (2010) ) Sexualidades em Portugal, Lisboa, Bizancio



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O Dia Mundial da Justiça Social, comemorado desde 2009 a 20 de fevereiro, foi uma data proposta em 2007 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, de acordo com a Resolução A/RES/62/10. O objetivo do Dia é promover esforços para enfrentar questões como a pobreza, o desemprego e a exclusão, tentando criar oportunidades para todos e combater as desigualdades no mundo.

Injustiças Sociais em 2021

Vivemos ainda num mundo marcado por várias e diversas injustiças sociais. Todos os dias, local e mundialmente, pessoas são excluídas socialmente pela sua história de vida, pelo género, pela raça, pela etnia, pela religião, pela doença e pela capacidade sócio-económica.

Em 2021 lidamos ainda com a pandemia Covid-19, que causou uma crise sem precedentes em todo o mundo. Estamos todos a viver os efeitos deste momento tão difícil na história. Porém, para uma grande parcela da população, a crise é vivenciada de forma ainda mais intensa e preocupante, devido às desigualdades sociais. Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2020, 2,037 milhões de portugueses encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social. Na imagem seguinte percebemos que o risco de pobreza e exclusão social tem diminuido ao longo dos anos, ainda assim, 19,8% da população portuguesa encontra-se numa situação de extrema vulnerabilidade.

A luta pela Justiça Social

Quer seja a nível local, nacional ou internacional, pela sociedade civil organizada ou pelos governos, a luta pela justiça social é premente e leva-se a cabo, acima de tudo, através de uma:

  • Justiça Social preventiva: Aquela que garante políticas de informação, educação e capacitação para a igualdade.
  • Justiça Social interventiva: onde se integram as Políticas Sociais que permitem o (re)equilíbrio da pessoa na sociedade.

O papel do estado

A luta pela Justiça Social pode ser feita por todos nós (ver infográfico no fim da página) mas é de evidenciar o papel do Estado sendo que, de acordo com a Constituição da República Portuguesa, é dever do mesmo:

“b) Promover a justiça social, assegurar a igualdade de oportunidades e operar as necessárias correções das desigualdades na distribuição da riqueza e do rendimento, nomeadamente através da política fiscal;”

Artigo 81.º b) “Incumbências prioritárias do Estado” da Constituição da República Portuguesa

4. A tributação do consumo visa adaptar a estrutura do consumo à evolução das necessidades do desenvolvimento económico e da justiça social, devendo onerar os consumos de luxo.

Artigo 104.º “Impostos” da Constituição da República Portuguesa

O papel de cada um de nós

Partilhamos um infográfico do que cada um de nós, cidadãos e cidadãs, pode fazer.

Dia Mundial da Justiça Social – Infográfico ATLAS – People Like Us


POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



O Dia do Doente Coronário celebra-se todos os anos a 14 de fevereiro. A data foi institucionalizada pela Fundação Portuguesa de Cardiologia e comemora-se por todo o espaço da Comunidade Europeia. As doenças crónicas incluem doenças como a diabetes, cancro ou asma. Abordamos, de seguida, a sintomatologia associada.

Doença Coronária

A doença crónica é uma doença não transmssível, que se prolonga ao longo da vida, não se resolve espontaneamente e não tem cura (Center for Managing Chronic Disease (CMCD, 2015)).

“as doenças cronicas (…) são, de longe, a principal causa de mortalidade no mundo, representando 60% de todas as mortes. Dos 35 milhões de pessoas que morreram de doença crónica em 2005, metade tinha menos de 70 e eram mulheres”.
Organização Mundial de Saúde (2005)

Barros (2003) afirma que cada doença crónica é unica, pois enquanto umas podem acompanhar o sujeito durante toda a vida sem redução de sintomas, outras podem possuir prognósticos a curto ou médio prazo; umas podem implicar alterações pouco significativas na vida do doente, enquanto outras podem alterar significativamente a sua vida e levar a imensas restrições e à adsão a terapêuticas muito severas.

Para uma patologia ser considerada uma doença crónica, tem que mostrar uma ou mais das seguintes caracteristicas: provocar incapacidade, ser causada por alterações patológicas irreversíveis, necessitar de supervisão por longos períodos de tempo (OMS, 2005). Esta pode começar por uma condição aguda, normalmente insignificante, prolongando-se através de vários episódios de agarmento e remissão (Martins, França & Kimura, 1996). Manifestam-se através da interação de factores genéticos e factores ambientais externos (Hui, 2015).

Doença crónica nos idosos

Os idosos são a população mais afetada pelas doenças crónicas. A incidência de doenças como a hipertensão artial, o cancro, a diabetes e patologias cardiovascular aumenta com a idade. Para além destas doenças, a diabetes a depressão e a osteoartose, são algumas das doenças mais prevalentes entre os idosos. Esse aumento deve-se à interação entre factores genéticos predisponentes, factores fisiológicos de envelhecimento e factores de risco modificáveis como tabagismo, ingestão alcoólica excessiva, sedentarismo, consumo de alimentos não saudáveis e obesidade (Wong & Wong, 2005).

O lugar comum na luta pelo controle das doenças crônicas é a prevenção, primária ou secundária. Quando as condições crônicas são mal gerenciadas, os encargos de saúde tornam-se excessivos. Os profissionais de saúde têm como missão motivar a população a manter hábitos de vida mais saudáveis, além da manutenção e seguimento médico regular a fim da realização de diagnóstico precoce, caso essas condições se manifestem. 

O objetivo destes cuidados é não só aumentar o tempo de vida como a sua qualidade. O maior desejo é manter independência e  autonomia de cada indivíduo pelo maior tempo possível (Martins, França & Kimura, 1996). Nos cuidados específicos ao paciente idoso, com todas as suas caracteristicas e presença frequente de várias doenças associadas, torna-se, ainda mais importante a educação em saúde e uma abordagem holística. É importante que o idoso tenha informações sobre as doenças existentes, prevenção e tratamento, para que possa realmente sentir o quanto pode fazer por si mesmo. Os profissionais de saúde também devem contemplar o todo, o ser bio-psico-social (Barros, 2004).

Os tratamentos propostos, devem ser adequados a cada indivíduo. Para uma atenção global ao idoso, deve-se ter cada vez mais a certeza de que há grande benefício na atuação de equipas multidisciplinares, em todas as etapas do processo saúde-doença, seja na prevenção e compensação de doenças crónicas ou reabilitação.

Manter um estilo de ida saudável é uma forma de prevenir as doenças coronárias. 14 de fevereiro – Dia Nacional do Doente Coronário

Referências

Barros, B., Souza, C. & Kirsztajn, G. (2004). Qualidade de vida de pacientes portadores de glomerulopatias. In Pais-Ribeiro, J. & Leal, I. (Editores). 5º Congresso Nacional Psicologia da Saúde – A Psicologia da saúde num mundo em mudança. ISPA Edições. Lisboa.

Center for Managing Chronic Disease (CMCD). (2015). American adults more likely than europeans to be diagnosed with, treated for chronic diseases. Acedida a 2 de Fevereiro 2021 em http://www.medicalnewstoday.com/releases/83960.php

Hui, L. (2015). Aging and chronic disease as independent causative factors for death and a programmed onset for chronic Disease. Archives of Gerontology and Geriatrics, 60, 178–182.

Martins, L. M., França, A. P. D. & Kimura, M. (1996). Qualidade de vida de pessoas com doença crónica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 4 (3), 5-18.

Organização Mundial de Saúde (OMS). (2005). Cuidados inovadores para condições crónicas: componentes estruturais de ação.

WONG J, WONG S: Evidence-based care for the elderly with isolated systolic hypertension. Nursing and Health Sciences 2005; 7: 67-75

Autora do artigo

Cláudia Silva

Psicóloga na ATLAS, Formada em Psicologia Sistémica e Familiar, com formação em Terapia do Luto com crianças e adultos.



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



Revolução demográfica: novas realidades, novos desafios.

As reconfigurações paradigmáticas na estrutura demográfica nacional, à semelhança do resto do Mundo, têm vindo a enfatizar a necessidade de concertar respostas no âmbito da política de saúde, na educação e reestruturações sociais de dimensão local e nacional (Pinto et al., 2019).

A expressividade numérica dos adultos de idade avançada, correspondente a 22,15% da população portuguesa, tem ganho significância nos últimos anos, impulsionando desafios aos diferentes setores que, têm hoje, de enfrentar novos contextos populacionais. Em Portugal, a população com idade igual ou superior a sessenta e cinco anos totalizava, no ano de 2019, 2 280 424 idosos e idosas, correspondendo para cada 100 crianças e jovens, 163 pessoas de idade avançada (INE).

O aumento da longevidade, com uma esperança média de vida referente aos 78 anos para os indivíduos do género masculino e aos 84 anos para o género feminino, traduz novas necessidades e abre espaço para a melhoria de práticas de intervenção, em contexto formal ou informal (Pinto et al., 2019).

Cuidar: uma combinação de atitudes, conhecimentos e habilidades

O cuidar é hoje verbo imperativo, face às idiossincrasias do processo de envelhecimento de cada um, pressupondo a combinação de uma tríade de elementos: atitudes, conhecimentos e habilidades. Trata-se de “um processo integral e complexo que envolve o cuidado e acompanhamento da pessoa cuidada, mas também um efetivo envolvimento e empatia entre esta e o cuidador” (Tavares, 2019, p. 35).

Compreende-se a fulcralidade da firmação de relações positivas e dignificantes, entre cuidador e pessoa cuidada, nas quais vigore a transmissão de segurança e respeito, mantendo canais de comunicação claros e sistemáticos (Tavares, 2019).

O cuidador pode ser formal ou informal, mas o afeto, respeito e apoio não podem faltar.

Ao cuidador, no âmbito do acompanhamento concretizado junto da pessoa idosa, cumpre a prestação de apoio na superação das necessidades básicas por ela manifestada, procurando o asseverar do bem-estar e uma interação de qualidade e afetivamente significante (Tavares, 2019). Os cuidadores podem obedecer a duas tipologias: o cuidador formal, – um profissional que complementa ou substitui o apoio informal – e o cuidador informal – pertencente à família, amigos, vizinhança ou comunidade que, de forma permanente e não renumerada, retarda (e em alguns casos evita) a integração do idoso em Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (Tavares, 2019).

O Estatuto do Cuidador Informal

O cuidador informal dispõe, desde 2019, de um Estatuto próprio, aprovado pela Lei nº 100/2019, de 6 de setembro, no qual encontra regulamentados os seus direitos, deveres e descritas as medidas de apoio disponibilizadas.

Aprovado o Estatuto. O que nos espera agora?

Atualmente, encontra-se em vigência um projeto-piloto, decorrente em 30 municípios, com duração de um ano e início concretizado a 1 de junho de 2020, que objetiva a amplificação póstuma para o todo o país. Os projetos-piloto dispõem de enquadramento na Portaria nº 64/2020, de 10 de março, na qual constam as condições de aplicação e os territórios de abrangência dos mesmos. De acordo com o referido documento legal, os Cuidadores Informais poderão assim beneficiar de:

  • Apoio, capacitação, acompanhamento e aconselhamento por profissionais de referência (saúde e segurança social);
  • Plano de intervenção específico ao cuidador;
  • Grupos de Autoajuda, promovidos e dinamizados por profissionais de saúde;
  • Formação e informação;
  • Apoio psicossocial;
  • Aconselhamento, acompanhamento e orientação pela autarquia;
  • Períodos de descanso;
  • Promoção da integração no mercado de trabalho, face ao término da prestação do cuidado;
  • Subsídio de apoio ao cuidador informal principal;
  • Acesso ao regime de seguro social voluntário.

 Quais as condições para atribuição?

De acordo com o Instituto de Segurança Social, I.P., o cuidador informal é o cidadão que presta cuidados regulares ou permanentes a outro(s) que se encontram em situação de dependência, podendo, apenas, ser reconhecido um cuidador por domicílio. Para que lhe seja conferido o Estatuto, o cuidado informal tem de reunir os seguintes requisitos:

  • Idade superior a 18 anos;

  • Residir legalmente em território português;

  • Dispor de condições físicas e psicológicas adequadas para prestar os cuidados necessários;

  • Ter relação conjugal, união de facto, parentesco ou afinidade até ao 4º grau da linha reta ou colateral da pessoa cuidada (a título ilustrativo: filhos, netos, bisnetos, pais, irmãos, tios, avós, bisavós, primos, entre outros).

Como formalizar o pedido de reconhecimento do Estatuto?

Para que seja emitido o Cartão de Identificação do Cuidador e, assim, reconhecido o Estatuto de Cuidador Informal, deverá apresentar na Segurança Social (online ou num balcão de atendimento) o requerimento, disponível em duas versões (para os municípios abrangidos pelos projeto-piloto e para os restantes municípios), o documento de identificação do cuidador e pessoa cuidada e, outros documentos, eventualmente aplicáveis, descritos nos formulários de formalização do pedido.

Se é cuidador, valorize-se e cuide de si

Cuidar, formal ou informalmente, é uma ação desafiante, intensa e complexa que pressupõe um desgaste físico e psicológico para o cuidador, cuja disponibilidade para prestar apoio ultrapassa um horário estanque ou rigidificado. Depreende-se, por tal, a necessidade de o cuidador “cuidar” de si, investindo na aprendizagem e estratégias que apoiem e facilitem a prestação dos cuidados, valorizando o trabalho que presta e asseverando momentos de descanso.

Recomendação de leitura: o Manual do Cuidador
É, subordinados ao objetivo de repensar o envelhecimento e asseverar orientações para uma mais adequada gestão na saúde e doença, que um grupo de professores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, promoveu a construção do Manual do Cuidador. Trata-se de um livro com caráter interdisciplinar, vocacionado para cuidadores formais e informais, cujo download é gratuito e está disponível na hiperligação que sugerimos que visitem: http://monographs.uc.pt/iuc/catalog/book/4.

Referências Bibliográficas:

Lei n.º 100/2019, de 6 de setembro, Assembleia da República. Diário da República n.º 171/2019, Série I de 2019-09-06. Acedido a 20/01/2021. Disponível em www.dre.pt.

Pinto, Anabela Mota; Veríssimo, Manuel; Malva, João. (2019). Manual do Cuidador. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Tavares, João Paulo. (2019). Cuidar da Pessoa Idosa: Habilidades Fundamentais. In: Pinto, Anabela Mota; Veríssimo, Manuel; Malva, João. (2019). Manual do Cuidador. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



Supervisão do regime terapêutico no domicílio – Capacitar para o Auto-Cuidado

No contexto de envelhecimento da população portuguesa e consequentemente o aumento da longevidade, o envelhecimento é, atualmente, uma área com particular interesse na sociedade, sobretudo pela importância que este fenómeno e processo tem no plano dos cuidados de saúde, bem como no âmbito social, económico, político e cultural. A prevalência de doenças crónicas, degenerativas e a presença de comorbilidades, contribuem para o elevado consumo de medicamentos por parte da população mais velha.

Estima-se que, em média cada idoso toma 7 medicamentos por dia e a polimedicação e a adesão incorreta é responsável, em grande medida, no aumento dos reinternamentos nesta faixa etária. A polifarmácia (uso de cinco ou mais medicamentos), é um problema de saúde muito grave nestes grupos etários, dado que está associada a um maior risco de iatrogenias (reações adversas), quedas, delírio, incontinência urinária, desnutrição e dificuldades na adesão do tratamento prescrito.

50% dos cidadãos sujeitos a terapêutica crónica, não toma corretamente a sua medicação.

Organização Mundial de Saúde

No decorrer do processo de envelhecimento, o individuo confronta-se com alterações de diferente natureza e encontra-se exposto a inúmeros fatores que condicionam a sua capacidade para gerir de forma adequada e segura o seu regime terapêutico, comprometendo inevitavelmente a sua eficácia.

A complexidade dos esquemas terapêuticos, as alterações do aspeto das embalagens, as limitações físicas ou a falta de acompanhamento diário, podem ser a causa para as várias falhas e erros na administração correta e segura da medicação.

Este aumento do número de medicamentos e a gestão do regime medicamentoso no domicílio, torna-se uma tarefa bastante complexa. Uma tarefa diária que parece simples e que todos o fazem de uma forma natural, mas um simples erro na administração pode comprometer o tratamento prescrito e, como consequência, provocar impactos negativos na saúde. Por sua vez, esta associa-se a um aumento de reinternamentos, maior custo financeiro associado à má gestão da medicação, desperdício de medicamentos, diminuição da eficácia do tratamento e controlo sintomático e consequente, diminuição da qualidade de vida e bem-estar.

Um simples erro pode comprometer todo o tratamento!

É no seguimento das visitas domiciliárias, que facilmente verifico que a gestão da medicação é uma área das atividades de vida diária, que merece maior atenção e acompanhamento diário por um profissional.

Inicialmente, é realizada uma avaliação gerontológica multidimensional, onde procuro detetar os comportamentos de risco e aconselhar o que fazer, como fazer e onde fazer, nas várias dimensões da vida, nomeadamente, na área da saúde geral, capacidade funcional, cognitiva, afetiva/emocional, ambiental, social e económica.

Esta avaliação permite encontrar soluções para melhorar o dia a dia dos meus clientes, permitindo uma resposta mais completa e adequada face à situação apresentada – “Quem apoia, organiza e prepara a toma da medicação? Quem garante que a medicação é tomada na dose, hora e forma correta? Quem garante que não há nenhum medicamento em falta? Quem supervisiona se os medicamentos estão a ser bem acondicionados?”.

Através destas questões, é possível verificar quem gere a terapêutica de cada cliente, de forma a poder traçar um plano individual de cuidados personalizado, específico e adaptado às necessidades, interesses e expetativas do quotidiano do idoso e sua família.  

É importante:

  • Assegurar a efetiva gestão do risco e otimização da polimedicação;

  • Supervisionar, efetuar a gestão e ou administração de medicação, sob orientação do médico assistente;

  • Registar e monitorizar os sinais vitais, numa folha personalizada para cada idoso e família, de forma a controlar os valores e situação clínica ao longo do tempo;

  • Efetuar a marcação e/ ou acompanhar a consultas de especialidade, exames ou rastreios;

  • Coordenar os diferentes serviços, antecipar futuras necessidades e implementar soluções inovadoras.

A frequência das visitas domiciliárias são realizadas de acordo com as necessidades individuais e familiares, de forma a garantir a gestão e a adesão terapêutica e a articulação com o médico e/ou enfermeira de família, bem como com a farmácia de referência, sempre que seja necessário.

Este acompanhamento realizado por um profissional de Gerontologia, no domicílio, é fundamental e é indicado para todos aqueles que:

  1. Gerem sozinhos a sua terapêutica e que apresentem história de má gestão terapêutica, mesmo que ainda mantenham a sua autonomia preservada;
  2. Se esquecem ou ficam na dúvida se já tomaram o comprimido, pessoas com limitações físicas, que se encontram dependentes de um cuidador ou familiar;
  3. Tem esquemas terapêuticos complexos: com a toma de diversos medicamentos ao longo do dia.

A preparação individualizada da medicação, surge como um método eficaz e transmite segurança não só à pessoa que usufrui do serviço, bem como todos os cuidadores ou familiares, que por diversas razões não conseguem assegurar o acompanhamento e supervisão diária dos seus familiares.

O gerontólogo é aquele que, por via das várias competências e formação que detém, saberá determinar que profissionais mobilizar, quando, em que condições, dinamizando a teia de relações que possibilita à pessoa idosa e sua família ver a sua situação otimizada e solucionada, com a maior brevidade possível.

Exemplo de um plano de medicação que pode ser facultado por um gerontólogo.

Deste modo, torna-se fundamental assegurar uma gestão correta do regime terapêutico, através da figura de gestor de caso, de forma a capacitar e aumentar a literacia em saúde, focando a importância para a educação para o auto-cuidado das pessoas mais velhas.

Esta estratégia de saúde tem como finalidade, através do controlo da medicação, aumentar os ganhos em saúde bem como contribuir para reduzir os gastos na saúde, procurando maximizar a qualidade de vida.

Ao acompanhar e promover a adesão ao regime terapêutico, os profissionais procuram compreender o que limita o processo de gestão da doença crónica nomeadamente pela identificação de fatores que a comprometem e através da implementação de intervenções eficazes que facilitem a incorporação de novos hábitos e novas formas de viver. Esta será, certamente, uma área de futuro, encontrando-se o gerontólogo numa posição privilegiada para desenvolver ações que possam contribuir para uma melhoria da qualidade de vida das pessoas mais velhas, no conforto da sua casa.

Carolina Antunes
Geróntologa. Voluntária do Atlas, em Coimbra. Membro da Direção da Associação Nacional de Gerontólogos

www.gerontologacarolinantunes.com/
https://www.facebook.com/gerontologacarolinaantunes
https://www.instagram.com/gerontologa_carolina.antunes/



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



Gosto de ditados populares e há dois que enquadram muito bem a Formação ao Longo da Vida: Nunca é tarde para aprender e Só custa começar. Durante a vida ativa, no decorrer das atividades profissionais, a formação é necessária para o desempenho de uma nova tarefa ou para conhecer um novo programa informático, por exemplo. Mas e depois? Depois de uma vida inteira a trabalhar… ir aprender?

Sim, a fase de vida da reforma tem tanto potencial!

A pessoa está mais disponível e pode investir o seu tempo no que já sabe que gosta e também em descobertas (com a tranquilidade de não ser avaliado, mas sim de propor a si próprio algo desafiante, que estimule as suas competências). As possibilidades de formação são muitas, a ver pela quantidade de Universidades Séniores no nosso país: workshops de pintura, de costura, de artesanato; aulas de História, de Línguas Estrangeiras, de Informática, de Instrumento Musical; etc..

Aprender algo novo, em qualquer idade, dá-nos a sensação de que somos mais capazes do que (talvez) pensávamos

Aprender algo novo fortalece a confiança nas nossas capacidades e isso reforça a nossa auto-estima. Esta experiência é ainda mais importante na fase de vida em que a pessoa pode sentir dúvida acerca das suas habilidades, porque já não as põe em prática no trabalho. Além disso, na ausência da rotina laboral, adquirem-se objetivos semanais ou mensais (como entregar uma pesquisa ou participar num concurso) que estruturam o dia-a-dia e estipulam compromissos agradáveis. Podemos ainda pensar do ponto de vista da ginástica que damos ao nosso cérebro: de cada vez que aprendemos algo novo são ativadas novas ligações entre os neurónios (esta ativação é um dos fatores de proteção contra o declínio do funcionamento mental).

No Projeto Velhos Amigos sa ATLAS são desenvolvidas competências digitais de forma dinâmica e com a colaboração dos voluntários.

Além destes benefícios, ainda há a mais-valia da formação ocorrer, quase sempre, no contexto de um grupo e a interação social que proporciona é fundamental para estabelecer ligações com outros e prevenir o isolamento social. Indo mais além, existem vários projetos em Universidades Séniores que promovem a interação com outras gerações (desde crianças do jardim-de-infância até aos estudantes do ensino superior).Neste formato, o estudante sénior ganha ainda reforço do seu papel na sociedade, é valorizado pelos seus saberes de experiência feitos.

Em Leiria, o Programa IPL60+, dinamizado pelo Instituto Politécnico de Leiria (IPL), é um excelente exemplo de intercâmbio com os jovens estudantes do ensino superior. Os alunos séniores frequentam unidades curriculares das licenciaturas, têm ao dispor unidades específicas do Programa 60+ (Inglês, TIC, Atividade Física) e podem ainda participar em projetos dinamizados no IPL como a rádio, o blogue, o jornal, a tuna. Quem diria? Participar na Tuna aos 70 anos! Viver e aprender!


Sofia Carruço
Psicóloga e Voluntária na Atlas – People Like Us



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.



Para cuidarmos dos outros precisamos de estar bem.

Os voluntários são a espinha dorsal da comunidade, são super heróis e super heroinas que contribuem no apoio a quem está mais vulnerável. Desengane-se quem acha que os/as voluntários/as não têm o seu trabalho, os seus filhos para cuidar, os seus pais e avós para mimar, as contas da casa para pagar e muitas outras responsabilidades. Numa altura como esta, em que a nossa resiliência é posta à prova, é necessário que os voluntários e voluntárias tenham auto-cuidados.



POR PESSOAS COMO NÓS, JUNTA-TE À NOSSA CAUSA.